domingo, 10 de março de 2013

Análise

Só tenho escrito poemas.
Não há altura nenhuma
em que apeteca escrever uma
novela ou um ensaio
essencial corrido de
pensamentos e características
do que os homens são por dentro.

Tem sido tudo negativo,
desafortunado de lógica
e governado pelos sentimentos.

Agora caio novamente
em verso decadente.
Talvez por me sentir vazio,
no ócio de fazer tudo,
não tenha feito nada.
Sou só um escritor.

Não grito nem proclamo
novas modas ou estilos,
não sou original nem tenho
ideias próprias que ninguém
teve ainda. Muito menos
faço planos no que devo
fazer e modestamente pensar.

Depois falam-me em sorte,
como se a fizessem.
Sorte têm aqueles que sofrem
por amor, porque sabem
do que sofrem, conhecem
o problema e lutam pela solução.

Mas eu, por nada sofro,
por nada vivo, por nada respiro.
Se morro um dia, é porque
quem sou já está morto.

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Que poema forte e emotivo, tu estás a sentir mesmo essas sensações?

    Beijinhos :D

    ResponderEliminar